Teatro da Lenda do UIRAPURU

Resumo: O pássaro de pluma vermelha e canto maravilhoso é atingido pela flecha de uma donzela apaixonada, transformando-se num belo e forte guerreiro. Porém, um feio e aleijado feiticeiro enciumado, possuidor de uma flauta encantada, através de sua linda música faz com que o jovem desapareça, restando somente sua bela voz na mata. Dificilmente vemos o uirapuru, mas ouvimos com freqüência seu canto inédito. Único do mundo, misteriosa ave de canto lendário, quando o Uirapuru canta, todas as outras aves ao redor se calam e quem ouvir sentirá muita paz.
Poucos dizem ter conseguido ver e ouvi-lo cantando, porém descrevem sua plumagem de formas diferentes, confirmando assim uma Lenda que diz, “quando ele permite que o vejam”, aparece sempre disfarçado para confundir com outras aves.

lenda do uirapuru teatro

Teatro da Lenda do UIRAPURU

PERSONAGENS: Índia Oribici, Índia Moema, Pajé, Curumim, Cacique, Tupã, índios da aldeia. Total 12 atores.

CENÁRIO: Aldeia indígena, cestos, arcos, flechas, redes, esteiras pelo chão. Como pano de fundo, um painel de floresta.

SONOPLASTIA: Sons de floresta, som do canto do uirapuru, música: O Uirapuru

FIGURINOS: Roupas de estopa para os índios, capa branca e cocar majestoso para Tupã, arcos, flechas, cocares, cestos de frutas, árvore cenográfica, fantoche de pássaro igual ao Uirapuru.

(Num canto do palco está o pajé, cercado de índios da aldeia. Ouve-se o canto de um pássaro. Todos ficam em silêncio para ouvir o lindo canto. Um curumim se aproxima do pajé)

CURUMIM: Pajé, que pássaro tem esse canto tão bonito?
PAJÉ: É o uirapuru
CURUMIM: Quando ele canta, toda a floresta fica em silêncio.
PAJÉ: Muito bem curumim, ótima observação! Mas existe uma explicação para isso.
CURUMIM: Explicação? Qual é? (Os demais índios se aproximam para ouvir a história)
PAJÉ: Há muito tempo, viviam na aldeia duas índias, que eram muito amigas. Certo dia…

(O pajé já está em pé e sai falando, seguido pelos demais. Sons de floresta. Entram as duas índias conversando)

MOEMA: Amiga, tenho uma coisa para te contar.
OBIRICI: O que é? Conta logo!
MOEMA: É que estou gostando de um jovem, ele é tão simpático, você não faz ideia.
OBIRICI: Não me diga! Mas que coincidência: eu também! Você precisa ver como meu amado é bonito!
MOEMA: Verdade? Mas quem é afinal? Conta, estou curiosa…
OBIRICI: Não posso contar, preciso saber primeiro se ele gosta de mim. Ainda não tenho certeza. Conte você: quem é teu amado?
MOEMA: Também não posso contar. Estou como você. Por enquanto não sei o que ele pensa de mim.

(Saem as duas, conversando sobre o assunto. Aparece o pajé num canto do palco)

PAJÉ: Passaram-se alguns meses e as duas amigas voltam a falar sobre o misterioso rapaz.

(Entram as amigas conversando)

MOEMA: Não sei… acho que ele nem sabe que existo
OBIRICI: Comigo está acontecendo a mesma coisa…
MOEMA: Mas quem é esse rapaz que nem percebe você?
OBIRICI: Não posso contar. Conta você o seu.
MOEMA: Certo, mas depois você promete contar o nome do seu amor?
OBIRICI: Prometo. Pode contar.
MOEMA: É…é…o… Cacique!
OBIRICI: O cacique? Não é possível! Você está brincando…
MOEMA: Por que brincando? Não posso gostar dele? Por que você ficou tão assustada?
OBIRICI: Porque é dele que estou gostando também!

(As duas ficam paradas, olhando uma para a outra)

MOEMA: O que vamos fazer?
OBIRICI: Deixe-me pensar…. Tive uma ideia! Vamos nos separar. É o único modo de saber de qual ele gosta. Se sorrir para você, é de você. Se sorrir para mim, é de mim. Está certo?
MOEMA: Está bem. No fim do dia nos encontramos aqui para conversar.

(Saem em direções diferentes. O cacique entra por um dos lados, arrumando um arco para caçar. Moema entra e passa por perto e ele lhe sorri. Depois é Obirici que passa carregando um cesto de frutas. O cacique também lhe sorri. Ele sai. Algum tempo depois as duas amigas entram para conversar, se posicionando num dos cantos do palco)

MOEMA: Está resolvido. Ele gosta de mim, pois quando nos encontramos ele sorriu.
OBIRICI: Acho que você está enganada, pois foi para mim que ele sorriu.

(Nesse momento elas congelam a cena. Do lado oposto, aparecem alguns índios, entre eles o pajé e o cacique)

PAJÉ: Cacique essas duas jovens gostam do sr. Temos que saber de qual o sr. gosta, pois assim não pode continuar.

CACIQUE: Bem… a verdade é que… é que…(suspense) eu gosto das duas!
TODOS: Oh!!!!!! (Bem exagerado)
PAJÉ: E como vamos resolver isso?
CACIQUE: Já sei. Amanhã iremos todos à floresta. Cada uma das moças levará o arco e a flecha. A que acertar em pleno voo a ave que eu indicar será a escolhida.

(Todos concordam com a proposta. As moças descongelam e se posicionam com o arco e a flecha, rodeadas pelo cacique, pajé e demais índios da aldeia)

CACIQUE: Atirem naquela ave! (Aponta para o céu)
CURUMIM: (sai correndo buscar as flechas, atrás da coxia): Olhem, acertou, essa acertou!
PAJÉ: Mas qual delas? Vamos ver a marca da flecha que acertou! (Confere a marca com as marcas que as moças receberam)
PAJÉ: A flecha que acertou foi a de Moema. Assim, ela se casará com o cacique, conforme o combinado.

(Moema comemora e sai abraçada com o cacique, seguidos pelos demais. Obirici fica sozinha e começa a chorar. Nesse momento pode-se escurecer a cena e clarear várias vezes, dando a impressão do passar dos dias. Obirici continua chorando… chora tanto que Tupã ficou com pena e lhe aparece)

TUPÃ: O que aconteceu minha filha.
OBIRICI: Perdi minha melhor amiga e também o rapaz que amava. Estou sozinha e muito triste.
TUPÃ: Compreendo sua tristeza, mas você perdeu e precisa aceitar a derrota. Saber perder também é uma forma de vitória.
OBIRICI: Estou quase conformada. O que me deixa triste é a saudade que sinto, tanto do cacique como de minha amiga. Ah, se o sr. me transformasse numa ave, eu poderia vê-los, sem que me vissem.

(Num passe de mágica, a índia é transformada num pássaro e voa imediatamente para uma árvore. Para essa cena, pode-se fazer um “esquema” da índia sumir por detrás da árvore e em seguida aparecer um fantoche de pássaro no galho para representar a transformação perto da oca do cacique e da amiga, que passeiam felizes por ali. Depois de algum tempo eles saem de cena. Obirici, em forma de pássaro, vendo a felicidade dos dois, fica mais triste ainda e começa a chorar. Tupã aparece na frente da árvore).

TUPÃ: Para compensar sua tristeza, de agora em diante você será o pássaro Uirapuru. Seu canto será tão bonito que fará esquecer sua tristeza. Quando os outros pássaros ouvirem seu canto, ficarão em silêncio, maravilhados de tanta beleza.

(Sai Tupã. Entra o pajé e o curumim)

CURUMIM: Que história bonita! Então quando a índia está triste, ela canta para espantar sua tristeza?
PAJÉ: Isso mesmo e toda a floresta fica em total silêncio!

(Ouve-se um canto de pássaro – o Uirapuru – o pajé coloca o dedo na boca pedindo silêncio)

PAJÉ: Psiuuuu!! (Voltado para a plateia)
(A cena vai escurecendo lentamente, enquanto se ouve o canto do pássaro)

Nesse momento, um dos atores pode falar sobre as características desse pássaro que são muito interessantes. Após a apresentação dos atores, objetivo do trabalho, professores e disciplinas envolvidas, os alunos poderão terminar cantando a música O UIRAPURU, acompanhados de um violão. Sempre tem um aluno que sabe tocar algum instrumento e fica muito bacana!

Música do Uirapuru

Uirapuru, uirapuru
Seresteiro, cantador do meu sertão
Uirapuru, uirapuru
Tens no canto as mágoas do meu coração

A mata inteira fica muda ao seu cantar
Tudo se cala para ouvir sua canção
Que vai ao céu numa sentida melodia
Vai a Deus em forma triste de oração

Uirapuru, uirapuru…

Se Deus ouvisse o que te sai do coração
Entenderia que é de dor sua canção
E dos seus olhos tanto pranto rolaria
Que daria para salvar o meu sertão

Uirapuru, uirapuru
Seresteiro, cantador do meu sertão
Uirapuru, uirapuru
Tens no canto as mágoas do meu coração

Veja também!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.