Professora é agredida por mãe de aluno em Assu – RN

Não há nada mais triste do que vermos a cada dia mais e mais professores entrarem na dura estatística de serem agredidos no exercício de sua função! Nossa profissão já está virando caso de alta periculosidade! Vejam o caso de mais uma professora agredida, por uma mãe de aluno, no Rio Grande do norte!

Tomamos conhecimento de um vídeo compartilhado nas redes sociais sobre uma agressão física a uma professora  de uma Escola na Cidade de Assu, no Rio Grande do Norte.

No vídeo, em que o irmão da vítima denuncia o caso, cita-se a agressão realizada por uma mãe a uma professora, Sandra leite, e à Conselheira Tutelar Gislaine Fonseca.

O fato aconteceu no dia 11, onde uma mãe, que tem filho especial, adentrou a sala do Conselho Tutelar, onde a professora Sandra Leite e a Conselheira estavam. A professora foi levar um ofício para que houvesse uma reunião e a mãe chegou e começou a agredir a professora com chutes em sua perna, com tapas e agressões verbais, a professora levantou-se  para sair do recinto e foi derrubada no chão e chutada pela mãe.

Depois que a polícia foi chamada, mesmo assim a mãe também agrediu a conselheira tutelar e tomou o celular da mesma que tirou fotos da agressão que a mãe havia feito contra a professora e jogou no vaso do banheiro da sala em que estavam.

Veja o Vídeo em que o irmão da professora denuncia as agressões sofridas pela professora Sandra Leite

Segundo o vídeo não é a primeira vez que a mãe agride uma professora.

Nas rede social e nos grupos, todo apoio é dado à professora Sandra Leite, conhecida por seu profissionalismo, caráter, meiguice e carinho com seus alunos.

Um professor afirmou: “Cheguei a ser estudante de licenciatura e enxerguei durante esse tempo o quanto os professores sofrem com essa realidade de desrespeito e desvalorização na área de atuação. Isso é sério, a violência contra educadores já chegou no Assú, não é mais algo que atingia exclusivamente grandes capitais. A sociedade vendeu essa imagem de docentes frágeis, que apenas devem ficar diante de uma sala, repassar o conteúdo de uma disciplina curricular e ir embora. É preciso desconstruir isso e penalizar os agressores. Se a mãe sentia que o filho portador de necessidades especiais não recebia o tratamento adequado, comunicasse o problema para a professora, equipe pedagógica ou secretaria de educação. Cometeu crime de lesão corporal e difamou a vítima em seu local de trabalho. Não se pode exigir direitos na base do grito.(sic)

Outro disse: “O pior que isso acontece diariamente, seja uma agressão física ou moral infelizmente o professor esta a merce dessa sociedade que nada oferece para melhoria desses formadores. Sandra foi minha professora e hj é minha colega de trabalho, e isso me deixou triste revoltado vi a reportagem que ela deu e fiquei mais abalado. Espero que isso não se repita, Sandra é uma profissional maravilhosa que ama oque faz e que esta trazendo novidade na forma de administrar uma escola, Sandra não merece passar por isso nem ela nem esse garotinho. Mas tenho a certeza de que um dia nós professores e professoras seremos tratados com o devido valor é uma pena que Sandra tenha entrado nessa estatística triste que existe em nosso Brasil. #Professor não é pra ser agredido, é pra ser valorizado. Todo o meu apoio esta oferecido a vc.(sic)” ❤✊

Todo o repúdio de nossa Família Nóbrega Leite pelas graves agressões físicas sofridas por nossa irmã Sandra Leite. Além disso, a mãe do aluno agrediu fisicamente a Conselheira Tutelar Gislaine, conhecida por Gigi, de forma violenta e cruel e também a ASG do Conselho. Tomou o celular de uma delas é jogou dentro da privada do prédio, para não ficar as provas de toda a violência promovida por ela. Espero que esse celular possa ser recuperado as imagens. Compartilhem por favor. Assu não deixará isso impune. (sic)

Imagem captada em rede social