Como o professor pode ajudar os alunos que se automutilam?

0

Não é fácil. De repente você observa que um(a) aluno(a) tem se automutilado. Vê seus braços e os cortes. O que fazer? Neste artigo vamos tentar ajudar você, educador(a) como agir nessas situações.

Números da Fundação de Saúde Mental ( mentalhealth.org.uk ) sugerem que 10% dos jovens são autoflagelados. Isso é dois em cada sala de aula.

O desejo pode começar em qualquer idade, mas a maioria das pessoas que se automutila tem entre 11 e 25 anos, e é mais provável que elas comecem quando conhecerem alguém que tenha feito isso, como um amigo, um colega de escola, ou um membro da família.

Então, por que os jovens se machucam e o que as escolas estão fazendo para lidar com essa crise?

De acordo com a Innovating Minds ( innovatingmindscic.com ), uma organização sem fins lucrativos especializada em apoiar escolas e provedores de treinamento que lidam com problemas de saúde mental, cortes e queimaduras de cigarro podem ser um mecanismo de enfrentamento, onde o jovem está exercendo controle físico sobre o corpo.

Pode ser:

  • uma distração física da dor emocional
  • um método de combater a dormência
  • uma liberação de tensão acumulada
  • uma reação a sentimentos de baixa auto-estima
  • uma maneira de sinalizar sofrimento emocional para os outros
  • comportamento aprendido de colegas / família

Como ajudar seus alunos?

A primeira coisa que o educador deve fazer é não julgar. Nada de falar que o adolescente não tem Deus ou que não deve fazer isso, que isso não adianta ou coisas desse tipo. Por isso é importante a informação que você lerá mais abaixo sobre a automutilação, para entender que o seu aluno está realmente com um problema que pode ser emocional, psicológico, ou psiquiátrico.

O melhor a fazer é perguntar para o aluno, em conversa privada, de forma carinhosa e atenciosamente, desde quando ele começou a fazer isso e se os pais deles sabem. Essa será a deixa para que o aluno comece a conversar com você. Pergunte o que está acontecendo e de que forma você pode ajudá-lo. Prepare-se psicologicamente para ouvir histórias de acontecimentos difíceis ou traumáticos da vida dele. Eu já ouvi relatos horríveis de coisas que acontecem nas casas de meus alunos. Depois de ouvi-lo, diga que ele precisa de ajuda profissional, que você se preocupa com ele e que quer ajudá-lo. Então diga que você precisará comunicar aos pais sobre o que está acontecendo.

Talvez ele diga que ele mesmo vai contar aos pais. Dê o tempo de um dia para ele. Caso isso não aconteça, solicite a coordenação de sua escola que os pais sejam chamados para que você possa falar sobre o que está acontecendo.

Lembre-se que, além de ajudar, você ainda pode estar impedindo que coisas mais graves aconteçam, como o suicídio.

Como o professor pode ajudar os alunos que se automutilam?

Para saber do que se se trata a Autolesão

A automutilação é uma autolesão, ou seja, uma lesão (machucado) que a própria faz a si mesmo. Autolesões são todos os comportamentos que envolvem causar danos a si mesmo quando isso não é por prazer ou com a intenção de acabar com a vida.

Por exemplo: cortes (85%), queimaduras (30%), golpes (32%), perfurações, arranhões, beliscões, puxões de cabelo (7%), intoxicação, entre outros. A automutilação pode ter muitas funções e causas.

Definição de Automutilação

Automutilação ou auto-agressão é qualquer dano causado por uma pessoa em seu próprio corpo sem a intenção de cometer suicídio. A automutilação é um ato compulsivo que pode ser realizado para libertar-se da dor emocional, raiva ou ansiedade, para se rebelar contra a autoridade, para brincar com comportamentos de risco ou para se sentir no controle. Em alguns casos, o comportamento não está relacionado ao controle emocional, mas a um distúrbio neurológico ou metabólico.

Muitas pessoas se machucam porque lhes dá uma sensação de alívio. Algumas pessoas se cortam como forma de lidar com um problema. Alguns adolescentes dizem que, quando se autoflagelam, estão tentando impedir sentimentos de solidão, raiva ou desesperança.

Este comportamento não é aceito socialmente, nem é parte de uma tradição religiosa ou forma de arte.

A automutilação pode aparecer por si só, mas é certo que é uma representação simples de um problema mais complexo. Estima-se que 50% das lesões autoprovocadas estejam associadas a um transtorno mental. A automutilação é um sintoma, não um distúrbio. Todas as lesões autoprovocadas devem ser consideradas e não ignoradas, pelo menos até que algum perigo seja descartado ou isso faça parte do tratamento.

Cerca de 10% das internações hospitalares são devidas a lesões autoprovocadas. As lesões por auto-lesão são muito mais frequentes do que pensamos (ocorrem em 4% da população geral), especialmente durante a adolescência (elas atingem 14-15%). Além disso, os números aumentam muito se levarmos em conta que, se formos para a população psiquiátrica, as taxas são ainda maiores.

As mulheres se machucam mais com cortes, homens com queimaduras.

Existem muitos transtornos nos quais a autolesão aparece. A mais comum e a única em que um dos critérios diagnósticos é considerado sofrimento autolesivo é o transtorno de personalidade limítrofe. Nesse distúrbio, as autolesões aparecem em 70% dos pacientes e entre 8 e 10% consomem suicídio.

Auto-lesões também são freqüentes em atrasos mentais graves, mas eles são realmente um caso diferente, então não vamos entrar nesse mérito.

No transtorno de personalidade histriônica, pode aparecer a automutilação, embora seja mais provável que isso esteja associado a um alerta.

É claro que, na depressão (ou transtorno bipolar), sentimentos de desconforto podem acabar levando a pessoa a se auto-agredir.

A automutilação pode ocorrer em momentos ou episódios de despersonalização em que a pessoa não tenha consciência do que está fazendo. Também às vezes em episódios psicóticos vozes podem induzir a auto-mutilação.

A automutilação também está associada a transtornos alimentares e transtornos por uso de substâncias.

A automutilação também pode aparecer no transtorno de estresse pós-traumático.

Outros nomes: automutilação, autoflagelação, autopunição, comportamento autodestrutivo, 

Causas da Automutilação

A automutilação é um grave distúrbio de controle de impulsos que é frequentemente associado a outros transtornos psiquiátricos, por exemplo:

  • Transtorno de personalidade borderline (mais comum)
  • Depressão
  • Abuso de substâncias (alcoolismo ou uso de drogas)
  • Transtornos alimentares (anorexia ou bulimia)
  • Psicose
  • Transtornos de personalidade anti-social
  • Transtorno de estresse pós-traumático

A automutilação é freqüentemente associada a distúrbios psiquiátricos que podem ser causados ​​por desequilíbrios químicos no cérebro. Também pode estar relacionado a distúrbios neurológicos ou metabólicos, como:

  • Siringomielia (distúrbio que causa a formação de cistos na coluna)
  • Síndrome de Tourette (desordem neurológica)
  • Autismo (distúrbio que causa problemas sociais, comportamentais e de fala)
  • Síndrome de Lesch-Nyhan (distúrbio genético)

Fatores de risco da Automutilação

Esses fatores de risco aumentam a probabilidade de desenvolver essa condição. Informe o seu médico se tiver algum dos seguintes fatores de risco:

  • Abuso sexual, físico ou emocional durante a infância
  • Violência ou outro abuso de membros da família em casa
  • Transtorno de estresse pós-traumático
  • Prisão Prisional
  • Sexo: feminino
  • Idade: adolescência
  • Atraso mental
  • Autismo
  • Certos distúrbios metabólicos

Outros fatores de risco 

Fatores de risco: Ser mulher, ter entre 15 e 25 anos, morar em uma instituição ou centro, pessoas dependentes de álcool ou drogas.

Fatores precipitantes: intimidação, gravidez indesejada, doença física grave, divórcio de pais ou problemas familiares, abuso sexual, violência doméstica, luto, depressão, problemas econômicos ou de trabalho, ansiedade, problemas nas relações sociais, suicídio ou autoagressão alguém próximo (esse fator afeta mais os adolescentes), ansiedade, solidão. O álcool está presente em muitos dos períodos autoprejudiciais,  pois desinibe e encoraja o comportamento impulsivo, por isso é uma combinação ruim.

Fatores básicos da pessoa que estaria em risco: baixa auto-estima, imagem corporal distorcida ou distorcida, sentimentos de rejeição por parte dos outros ou ser diferente, ser uma pessoa isolada, baixas habilidades sociais, diferenças culturais ou raciais, má adaptação ao ambiente, alto neuroticismo (como traço de personalidade).

A automutilação é prejudicial, mas existem ainda fatores após a lesão que a pessoa não leva em conta no momento. Muitas vezes as feridas ficam infectadas e podem ser perigosas e até a pessoa pode ficar doente ou danificar funções ou áreas vitais do corpo.

Além disso, as cicatrizes serão visíveis por um tempo muito longo ou até podem se tornar permanente. Sendo assim, a pessoa que se automutila tem que usar roupas que cobrem os cortes e feridas. Vai ter que ficar se escondendo e com isso terá o agravamento das relações sociais. Pode-se ainda ter problemas no trabalho se descobrirem as cicatrizes. A vergonha de tirar a roupa depois de um tempo por causa das cicatrizes.

Sintomas da Automutilação 

Os sintomas da automutilação variam. Os sintomas mais comuns são:

  • Cortar a pele com objetos pontiagudos (o mais comum, geralmente cortam com gilette, faca…)
  • Limpando ou queimando sua pele
  • Coçar ou bater
  • Pique com agulhas
  • Batendo a cabeça
  • Apertando os olhos
  • Mordendo o dedo, os lábios ou o braço
  • Puxe seu cabelo
  • Pique a pele

Raramente, em casos muito graves, a automutilação pode incluir:

  • Ossos partidos
  • Amputação
  • Castração
  • Suicídio

Diagnóstico

A automutilação pode ser difícil de diagnosticar. Freqüentemente, as pessoas que se automutilam se sentem culpadas ou envergonhadas de seu comportamento e tentam escondê-lo. Um médico pode ser o primeiro a ver o dano físico causado pela automutilação. Para ser diagnosticado, os sintomas devem apresentar os seguintes critérios:

  • Preocupação com o dano fisicamente provocado
  • Impossibilidade de resistir a comportamentos autolesivos que resultam em lesões nos tecidos da pele
  • Aumento da tensão antes da auto-agressão e sensação de alívio após o ato
  • Não ter intenção suicida na automutilação
  • Para fazer um diagnóstico preciso, o psicólogo ou psiquiatra irá avaliar outras condições, como transtornos de personalidade ou de humor, e a presença de idéias suicidas ou não.

Tratamento da Automutilação

O tratamento geralmente é com médico psiquiatra e psicológico, e inclui a administração de medicamentos. Um médico avaliará se é necessária e de que tipo será a intervenção imediata para evitar mais danos por ingestão, lesão ou outros tipos de danos corporais.

Avaliação psicossocial

Pode avaliar a capacidade mental, níveis de angústia e doença mental de uma pessoa.

Tratamento Psicológico

O tratamento psicológico pode ser realizado individualmente ou em grupos. Geralmente, o tratamento destina-se a tratar a dificuldade emocional, o trauma ou o distúrbio subjacente. Também pode incluir terapia comportamental cognitiva. A terapia com psicólogo é de extrema importância para que haja entendimento de sua condição e do que gerou as autolesões.

Medicamentos

O tratamento poderá incluir:

  • Antidepressivos
  • Antipsicóticos
  • Reguladores de humor
  • Anticonvulsivantes

Prevenção

A melhor medida preventiva é buscar ajuda profissional o quanto antes, quando houver depressão, trauma, problemas emocionais ou outros distúrbios que possam levar à automutilação.

Veja também!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar e otimizar a experiência do usuário. Ok Saiba Mais

Política de Privacidade